Viver a Figueira 12 meses por ano

À Descoberta de Tavarede: Uma Freguesia entre a Cidade e o Campo

4 gostos

Dia de Tavarede 2024. Celebrando 508 anos de foral.

Hoje é Dia de Tavarede, esta antiga freguesia da Figueira da Foz “apaga velas”, na Junta há Sessão Solene às 21h00 e, claro, merece o nosso destaque, cumprindo-se a missão do MeetFigueira de promover todo o concelho e não só a faixa costeira habitual. E 508 anos é, sem discussão, uma longevidade a celebrar. A povoação de Tavarede é bem mais antiga do que isso, as primeiras referências são anteriores à nacionalidade portuguesa, e surgem em documentos do século XI, há cerca de mil anos, portanto, mas foi em 9 de maio de 1516 que ganhou o estatuto de Vila e honras de foral – condição de relativa autonomia administrativa que o rei concedia a povoações mais importantes.

Tavarede existe há muito mais tempo, de resto, do que a própria Figueira da Foz. Aliás, até 1771 foi sede do concelho – ainda hoje existe uma “Rua da Câmara” em Tavarede – e a Figueira da Foz era uma povoação menor na sua dependência. Nos dias que correm, com o desenvolvimento do porto e do turismo, os papéis estão invertidos e a freguesia de Tavarede integra, juntamente com Buarcos e São Julião, a área urbana da Figueira da Foz. Sem praia de mar nem acesso de rio, Tavarede, também conhecida por “Terra do Limonete”, é uma freguesia singular, por ser território de transição entre a cidade e o campo, mas também por não ser vincadamente turística, como as freguesias costeiras.


«Desde muito cedo foi Tavarede um couto e Concelho, a que D. Manuel I deu foral, em Lisboa, em 9 de Maio de 1516. Por essa altura foi fundada por António Fernandes de Quadros a “Casa de Tavarede”, que seria titulada pela família Quadros até ao terceiro conde de Tavarede, extinguindo-se o título com o falecimento deste último em 1903. O concelho de Tavarede acabou em 1834, extinto pelo Liberalismo. Já desde o decreto pombalino de 12 de Março de 1771, que criara a Comarca da Figueira da Foz, pertencia a esta, contrariamente ao privilégio antigo do couto.», Fernando Curado

Quer saber mais sobre a história? Clique aqui:

Tavarede Terra de Condes… E Limonete. Contributos para a História da Freguesia da Tavarede


Aqui vivem e trabalham sobretudo os “genuínos” figueirenses, em aldeias e bairros residenciais pacatos. Novas urbanizações convivem com quarteirões antigos e, para o interior, com povoações-dormitório e zonas campestres e de floresta, acompanhando a encosta sul da Serra da Boa Viagem, com algumas pequenas bolsas de indústria. Em ambos os ambientes, urbano e rural, ainda pulsam vivas tradições e coletividades e Tavarede é conhecida pela sua rica vida cultural associativa, com particular dinamismo no teatro amador. É aqui que deve existir, também, a maior concentração de hortas urbanas e periurbanas do concelho, sendo a paisagem muito marcada por pequenos lotes cultivados, sobretudo para auto-consumo.

Mas, com tanta história, o que há afinal para fazer e visitar em Tavarede? Apesar de não ser eminentemente turística, convém lembrar que a freguesia de Tavarede abrange ainda equipamentos relevantes como o Parque de Campismo Municipal, a principal estrutura de alojamento, o Estádio Municipal José Bento Pessoa e o Pavilhão do Ginásio Clube Figueirense, ou os nossos amigos do Parque Aventura, para quem gosta de emoções fortes e trepar árvores.

Top do que fazer e visitar em Tavarede

Mas Tavarede, apesar do seu caráter mais residencial, tem outros atrativos que merecem um desvio das habituais rotas turísticas e balneares. E não falamos dos muitos hipermercados, espaços comerciais – curiosidade: metade do centro comercial Foz Plaza fica em Tavarede e a outra metade em Buarcos -, serviços e restaurantes espalhados por toda a freguesia, parques desportivos e infantis, campo e floresta, falamos de patrimónios e recantos que afirmam a identidade local e que justificam visita. E hoje como é dia da terra, fazemos um “top” do que fazer e visitar em Tavarede:

Paço de Tavarede

Uma curiosa casa senhorial apalaçada, com belos apontamentos arquitetónicos, é apontado como o “ex libris” do património histórico da freguesia. Foi durante séculos residência dos senhores de Tavarede e hoje é um edifício público e sede de serviços municipais. Aqui funciona por exemplo a Loja Ponto Já, aberta ao público mais novo. De acordo com a Junta de Freguesia local, o edifício foi «mandado edificar no século XVI por António Fernandes de Quadros, 1º Morgado de Tavarede, um fidalgo de ascendência espanhola que prestou serviços distintos à coroa portuguesa, nomeadamente como Adail de Azamor, a quem foi confirmado por Carta de Cotta D’Armas o brazão que, ainda hoje, a frontaria do velho Paço ostenta». Já escrevemos sobre o Paço, aqui.

Paço de Tavarede, Figueira da Foz

Fonte de Tavarede

Uma paragem pitoresca e refrescante, a cerca de cem metros do Paço. Construída no século XIX, este ponto de água sito, naturalmente, na Rua da Fonte, é um dos pequenos encantos da povoação. A entrada é discreta, da rua mal se nota o pequeno portão entre edifícios, mas ao descer a escadaria ladeada por bancos de pedra, encontramos um refúgio aprazível e isolado do bulício, pleno de referências históricas e culturais, sobretudo nos muitos painéis de azulejos com poemas ou representações de figuras ilustres da vila e de motivos religiosos.

Nas traseiras da fonte encontramos a zona das várzeas, vale fértil onde “desagua” a ribeira que desce da serra e onde se multiplicam as pequenas hortas de subsistência, que os moradores insistem em continuar a cultivar, e onde também pode encontrar, passe a publicidade, as estufas dos Viveiros da Figueira, ponto de paragem obrigatório para quem gosta de flores e plantas e árvores em geral, mesmo que não vá comprar nada, bem como a Casa Agrícola do Limonete, espaço de alojamento e eventos que é um verdadeiro oásis de “turismo rural” na cidade.

Igreja Paroquial

Embora Tavarede tenha sido durante séculos a localidade mais importante desta zona entre a serra da Boa Viagem e o Mondego, a Igreja de São Julião teve sempre maior preponderância em termos espirituais e foi em seu torno que se construiu o que é hoje a cidade da Figueira da Foz, além das devoções costeiras mais populares de Buarcos. Tavarede, como tal, não tem uma grande riqueza em termos de património religioso, mas não podemos deixar de referir a Igreja Paroquial com a sua elegante torre sineira. Dedicada a São Martinho, esta igreja remonta à Idade Média, embora pouco reste da versão original e a atual seja fruto de grandes alterações e melhoramentos. Dessa época mais remota podemos ainda ver a pia batismal com data de 1600.

Praça da Quinta da Borloteira

Um sítio que não costuma aparecer nos roteiros turísticos ou nos pontos de interesse oficiais da freguesia, mas que a equipa do MeetFigueira aconselha vivamente. Aliás, é uma das nossas salas de reunião preferidas, na agradável esplanada do quiosque-bar desta praça, arranjo urbanístico relativamente recente, que inclui um jardim infantil, um ponto de paragem de bicicletas Figas e um pequeno lago que integra o projeto nacional de biodiversidade Charcos com Vida. Na vizinhança, se a fome apertar, temos o restaurante mais concorrido do concelho, para quem aprecia comida acelerada: o McDonald’s. E para desenjoar com uma pequena caminhada, tem logo ao lado o chamado Parque Florestal Rotário Manuel Alberto Rei, uma zona verde agradável nas traseiras da urbanização da Quinta da Borloteira. Nos últimos anos, a Praça tem sido também palco, no início de setembro, da grande Festa do Limonete, três dias de música e tasquinhas, montra do vigor das coletividades culturais locais.

Parque Aventura (parceiro MeetFigueira)

O paraíso figueirense dos “trepadores”, este é talvez o spot mais emocionante da freguesia de Tavarede. Cresceu numa selva de asfalto e em criança não teve oportunidade de subir às árvores? Nunca é tarde: no topo norte do Parque das Abadias, em frente ao pavilhão do Ginásio Figueirense, encontra o Parque Aventura, pequeno bosque que oferece percursos para três níveis de agilidade (ou coragem): Curioso, Aventureiro e Sem Medo. O tema é arborismo e a palavra de ordem é diversão. Um programa ideal para famílias ou grupos de amigos ou de empresas. Conheça melhor aqui.

que fazer na Figueira da Foz crianças verão 2023 Parque Aventura

Pump Track / Bike Park

Mais uma oferta “radical” que não aparece nos roteiros turísticos habituais. Esta pista tem feito as delícias de skaters e praticantes de BMX e localiza-se no topo norte do Parque de Campismo.

Centro histórico

Tavarede é uma freguesia bastante dispersa em termos de povoamento, mas falamos aqui sobretudo do casario em torno do Paço, casa senhorial em torno da qual se desenvolveu o principal núcleo urbano da freguesia. Sem prédios altos e com ruas estreitas, pracetas e edifícios antigos, numerosas estátuas e placas evocativas, o pequeno centro histórico de Tavarede tem diversos pormenores de interesse arquitetónico e urbanístico, como o aprazível largo da SIT, entidade cultural centenária e com programação regular, e os edifícios de traça antiga em volta.

Largo da Sociedade Instrução Tavaredense, uma das mais importantes associações culturais da freguesia, com sala de espetáculos e relevante atividade teatral e musical

Tradições

Além do teatro e da música tradicional, chama mantida acesa pelas coletividades, são sobretudo festividades de cariz religioso. São Martinho é o santo mais celebrado, com as festividades a decorrer anualmente na sede de freguesia, no início de novembro e de temática vincadamente agrícola. Como é óbvio, além do fervor espiritual das procissões, reina a bela castanha e o vinho do produtor. Na aldeia de Carritos, merece ainda nota a celebração em honra de Santo António, no início de junho. Em termos de tradições artesanais ou gastronómicas, não surgem produtos ou receitas particularmente distintivas da freguesia, mas tem pertinência falar de inovações com base em produtos antigos e icónicos: arroz doce com limonete!


4 gostos

AUTOR

João P. Cruz
Consultor de comunicação territorial e patrimonial mas tudo lhe interessa. Estudou arqueologia, foi jornalista, biógrafo, ajudante de cozinha, ghostwriter, operacional do ICNF e livreiro. Integra desde 2018 equipas de classificação patrimonial (Nacional e UNESCO) e de projetos de desenvolvimento turístico, cultural e económico local. Está na luta dos territórios sustentáveis e inteligentes. Nasceu em Coimbra, vive na Figueira da Foz há 18 anos e é do mundo. É também co-fundador da MeetMunda Inovação e Turismo, empresa-mãe da marca MeetFigueira.

QUERO