Viver a Figueira 12 meses por ano

Onde fazer as suas compras de mercado na Figueira da Foz

8 gostos

Mercado Municipal da Figueira da Foz

O nosso artigo começa a escrever-se no dia 24 de Junho de 1892, quando o mercado da cidade da Figueira da Foz deixa de funcionar na então denominada Praça do Comércio (hoje Praça General Freire de Andrade e mais conhecida entre os figueirenses como Praça Velha) e é inaugurado um espaço próprio para os vendedores – o mercado municipal que hoje conhecemos como Mercado Municipal Engenheiro Silva.

Mercado Municipal Engenheiro Silva Figueira da Foz

Cento e trinta anos mais tarde, no mesmo local, e depois de várias intervenções, o Mercado Municipal da Figueira da Foz continua a ser uma referência de grande valor estético e arquitectónico, para além de servir os figueirenses e os visitantes ocasionais com uma rica variedade de produtos frescos, artigos locais e serviços diversificados.

Mercado Municipal Engenheiro Silva Figueira da Foz

Chegar ao mercado é fácil. Difícil será talvez escolher por onde entrar – pela entrada do Jardim Municipal?, pela do Rio Mondego?, pela Rua Francisco António Diniz? – ou o que comprar. Não faltam opções de fruta e legumes, de carne e peixe, de flores, roupa, atoalhados, produtos tradicionais ou brinquedos. 

Ir ao mercado é muito mais que encher o saco com batatas ou cenouras.
Salta à vista a imensidão de cores dispostas em banca e chegam-nos aos ouvidos ecos de conversas soltas e o constante chamariz das vendedoras.
Viver o mercado é ir mais além que a simples troca comercial. É fazer parte de uma refrescante experiência em comunidade, de contacto fácil com o próximo, da conversa ocasional, do sorriso fácil, e dos felizes reencontros geracionais.

Escolha a 6ª feira ou o sábado de manhã para mais animadas sessões de mercado, ou qualquer outro dia da semana se procura uma compra mais tranquila. Não deixe é de visitar!

Se o Mercado Municipal Engº Silva serve a zona urbana da cidade, o Mercado de Buarcos marca encontro com o povo buarcosense. Embora de dimensões mais modestas, e sem a imponência que caracteriza o seu congénere da Figueira da Foz, o Mercado de Buarcos oferece igualmente uma panóplia de produtos frescos e locais, dando a sensação que saltam diretamente da terra para as bancas.

A experiência em Buarcos não fica atrás da da Figueira. A escolha é mais reduzida, mas mais que suficiente para animar a panela do almoço.

Mercado de Buarcos

Caminhando em redor, não ficamos indiferentes ao espírito generoso da Dona Tina, à simpatia contagiante da pequena banquinha de agricultura biológica da “A Nossa Terra”, do peixe fresco em abundância, do pão da Nini, ou das muito solicitadas carnes do “Russo do Talho”. Salvo seja.

Mercado de Buarcos Nossa Terra Agricultura biológica

A 100 metros do Museu Municipal Santos Rocha, na esquina da Rua Calouste Gulbenkian com o caminho para o Centro de Artes e Espetáculos, na Rua Abade Pedro, descobrimos o… Mercadinho da Eskina.

mercadinho_eskina

Trata-se de um simpático e acolhedor espaço onde na sua pequenez encontramos uma feliz mistura entre mercearia e cafetaria, sob comando da Dona Elsa. Ali podemos abastecer-nos dos mais básicos produtos para a casa ou escolher a melhor combinação da fruta da época.


O serviço de cafetaria, apesar de escasso devido a limitações de espaço, prima pelo essencial e cumpre a sua função, com a ajuda de 3 ou 4 mesinhas junto às enormes vidraças, que tornam o interior um local com uma iluminação natural de excelência. 

Lá fora compõe-se uma tranquila esplanada de madeira – disposta num largo e convidativo passeio -, que contorna a esquina que dá o nome ao espaço, onde apetece puxar de uma leitura tranquila, dar dois dedos de conversa ou simplesmente apreciar quem passa. 

No geral, funciona como um óptimo suporte aos espectáculos que vão acontecendo ora no CAE ora no Auditório Municipal, mesmo a meia dúzia de passos, assim como à forte concentração residencial em volta. 

Mantendo o foco nas esquinas e nas mercearias, descendo a escadaria para as Abadias e subindo depois a Rua Luis Carriço, encontramos no topo, na esquina da Rua do Viso com a Rua Joaquim Sotto Mayor, o Fresco & Bom, mais uma bela referência de bem servir clientes na Figueira da Foz, e que faz jus ao nome que ostenta.

Com uma forte aposta em fruta e legumes – ou não ocupassem estes produtos grande parte da área da mercearia -, a menina Li Hong soube conquistar aos poucos uma bem composta freguesia com a sua simpatia, boa disposição e uma admirável taxa de acertos sobre o grau de doçura da fruta. “Pêssego? Muito boa!”.

Fresco e Bom Figueira da Foz pêssegos

Chegada a Portugal há mais de 10 anos, Li sente-se grata pelo crescimento da sua pequena mercearia e não esquece a dificuldade dos primeiros tempos: “Primeiro dia 12 euros!

Fresco e Bom Figueira da Foz maçãs

Em funcionamento há 90 anos, em plena Rua da República – a mais movimentada rua comercial da Figueira da Foz -, a Nova Primorosa (quantos anos terá a Velha?? Já explicamos…) enche o olho do visitante mesmo antes deste entrar: a montra, cuidadosamente decorada, é um verdadeiro chamariz e espevita até o transeunte mais distraído. 

No interior, o caminho faz-se por um corredor único que torna quase obrigatória uma paragem na secção de flores da mercearia, um espaço obviamente cheiroso e apelativo, que engrandece a oferta do resto da loja. 

É notório o cuidado na escolha, rotação, detalhe e exposição de produtos, assim como a aposta em promoções constantes, fazendo da Nova Primorosa um bom candidato ao Prémio Nobel da Arte de Bem Vender, ao qual não é alheio a simpatia e a dedicação permanentes do Nuno, que há 20 anos recebe com mestria e orgulho uma variedade de clientes fiéis e satisfeitos. Aqui, sente-se na pele o verdadeiro espírito do atendimento personalizado.

A Nova Primorosa faz parte do restrito grupo do Comércio com História, um projeto que visa enaltecer, proteger e divulgar estabelecimentos com interesse histórico e cultural ou social local.

Na Praça General Freire Andrade (Praça Velha para os amigos) vive uma outra primorosa mercearia, de seu nome A Primorosa, filha da… Nova Primorosa. Confuso? Pois bem, expliquemos. O Sr. Luís Gaspar, proprietário da Nova Primorosa (que só passou a chamar-se assim depois de sofrer uma remodelação) decidiu expandir o negócio e abrir uma filial aqui na Praça Velha, pertencente há 38 largos anos a um simpático casal: Preciosa e José Bernardes. 

Primorosa Figueira da Foz Praça Velha

Aqui neste mesmo espaço funcionou outrora um banco. Aliás, ainda fazem parte da mobília, na arrecadação da mercearia, alguns dos cofres utilizados pelo banco da altura.

Preciosa e José já não experimentam o movimento de antigamente daquela que já foi denominada a Praça do Comércio, mas sentem ainda um prazer especial em servir os seus mais fiéis clientes. 

Não há que enganar, esta Primorosa prima pelos artigos mais essenciais, pela fruta e legume mais fresco e deixa um quadro de bom gosto na decoração da sua montra. É de visitar!

Primorosa Figueira da Foz Praça Velha

Quem também vive do negócio há 38 longos anos são o João e a Alda, mais um inseparável e amoroso casal que adotou a casa vermelha no topo da Rua dos Combatentes para se dedicar à venda de mercearia. 

Aqui a história ultrapassa a nossa existência: neste espaço vendem-se batatas e feijões há mais de 100 anos, obra do saudoso Sr. Mário Azenha! Ainda hoje os seus descendentes fazem questão de visitar o espaço.

Mercearia João Figueira da Foz

O Sr. João conta-nos onde ficava situada a taberna, um elemento tão típico das mercearias de então. Hoje, o espaço parece apertado. “É para que nada falte!”, diz-nos a Dona Alda. O colorido das prateleiras não engana: aqui, variedade não falta. João e Alda fecham à hora de almoço, orgulham-se de contar com clientes de fora, e encontram tempo e vagar para levar as compras a casa daqueles que sentem dificuldade em se deslocar.

Falta escrever o nome do lugar: Mini Mercado do João.

Já foi Frutaria São Pedro, mas entretanto mudou de nome. Bruno Gonçalves explora hoje a FrutIva, uma frutaria de disposição minimalista que serve muito perto da Escola Dr. Joaquim de Carvalho, na comprida Rua Dr. Joaquim Sotto Mayor, que vem desde o Coliseu Figueirense até à Piscina do Ginásio Figueirense.

Frutiva Figueira da Foz

Frutas e legumes frescos são a grande aposta deste renovado espaço. Os olhos arregalam-se com tanto colorido disposto em volta, onde domina o bom gosto e o cuidado no pormenor. No centro, para os dentes mais afoitos encontra-se aquela que denominamos como a Ilha dos Frutos Secos

O espaço de circulação ajuda a loja a respirar a convida a uma seleção mais demorada, enquanto a luz natural lhe acrescenta um ambiente ainda mais adequado para o fresco convívio entre a maçã, o tomate, a cenoura e tantos outros que tal. É para ir!

Frutiva Figueira da Foz

8 gostos

AUTOR

Pedro Silva
Chegou à Figueira da Foz em liberdade mas ainda de fralda posta. Foi abraçando variados projectos de diferentes áreas, estando neste momento focado no Marketing Digital, em que é recém pós-graduado. Hoje exerce funções digitais na equipa de uma importante unidade hoteleira na Figueira da Foz. É também co-fundador da MeetMunda Inovação e Turismo, empresa-mãe da marca MeetFigueira.

QUERO